Opinião: “A arte de ensinar e aprender”, por Daniela Barbará

Daniela Barbará | 08/08/2018 13:14
Crédito:Arquivo pessoal
Liderança é o processo de encorajar e ajudar os outros a trabalharem entusiasticamente na direção dos objetivos. É o fator humano que ajuda um grupo a identificar para onde ele está indo e assim motivar-se em direção aos objetivos. Sem liderança, uma organização seria somente uma confusão de pessoas e de máquinas, do mesmo modo que uma orquestra sem maestro seria somente músicos e instrumentos. A orquestra e todas as outras organizações requerem liderança para desenvolver ao máximo seus preciosos ativos. (Davis, K. e Newstrom, J. W. – O comportamento Humano no Trabalho – Uma abordagem Organizacional – 1992)

Minha carreira nos últimos anos me deu de presente a oportunidade de conviver de perto com profissionais dos mais diversos perfis e capacidades. Entender cada um deles e, como utilizar as suas potencialidades a favor do trabalho diário, sempre foi um desafio que me fascina no papel de líder. Não é uma tarefa das mais simples, mas a satisfação vem do crescimento pessoal e profissional de cada um dos membros de uma equipe.  

Acredito que o maior desafio é fazer com que entendam que fazem parte de uma engrenagem. Ou seja, sua parte do trabalho se soma à outra parte do trabalho para que mais para frente tenhamos uma entrega perfeita que traga satisfação para o cliente e para todos os membros da equipe. E a troca é a parte mais rica. Saber ouvir, entender diversos pontos de vista, ensinar e aprender fazem com que o volume de trabalho diário se torne ligeiramente mais leve. 

Lidar diariamente com uma criança na primeira infância também ajuda muito no processo de comunicação. Isso porque a visão de um ser humano que está literalmente fazendo tudo pela primeira vez faz com que o interlocutor tenha que rever seus próprios comandos para alcançar os resultados esperados e o entendimento da criança sobre o passo a passo de cada atividade mostram que diretrizes diferentes trazem novos ensinamentos.  

Gerir equipes e educar crianças trazem a mesma responsabilidade de transformar o discurso em prática e não o contrário. O papel de liderança serve para nortear equipes a se espelharem em seus líderes e em seus comportamentos éticos e participativos em um ambiente sem preconceito, sem discriminação, tolerante, respeitoso e aberto à diversidade.

*Daniela Barbará trabalha há vinte anos com comunicação corporativa. É formada em jornalismo pela FIAM com pós-graduação em Relações Internacionais pela FAAP. Em redações, passou pela Gazeta Mercantil, agência Dinheiro Vivo e outros veículos com maior ênfase em cobertura econômica. Durante três anos trabalhou com comunicação em aviação civil no Brasil e na América do Sul com a GOL, Varig e TAM. Atuou na equipe de gestão de crise da queda do vôo 1907 da Gol. Nos últimos oito anos é diretora de Operações da EVCOM, coordena voluntariamente o grupo de trabalho de RH da Abracom há quatro anos e é professora convidada para aulas sobre comunicação corporativa e gerenciamento de crise para cursos de graduação e pós-graduação.

Leia também: