FOCA NA IMPRENSA - Leia o artigo 2

“Coronavírus: EaD e home office podem ter vindo para ficar”, por Regiane Kutchman

15/07/2019 09:00
Tema do mês: Jornalismo a distância é sempre possível?
Autora: Regiane Kutchman é estudante de jornalismo no Uninter (PR). 

Após serem adotadas as medidas de isolamento social, os alunos da educação básica e do ensino superior iniciaram o ensino à distância para dar continuidade aos estudos. Dessa forma, pessoas que tinham certo preconceito com o EaD foram obrigadas a fazer uso dessa modalidade de ensino devido à pandemia do coronavírus e, portanto, tiveram a oportunidade de conhecer e mudar de opinião. 

Alguns pensam que o EaD é mais fácil e não qualifica o profissional como deveria. No entanto, essa não é uma realidade. Em qualquer instituição de ensino presencial podemos ter alunos que não levam a sério os estudos e mesmo assim conseguem se formar. Por outro lado, conhecemos também alunos do EaD que são extremamente dedicados. Será que somente pela modalidade de ensino podemos dizer que o profissional graduado de forma presencial é mais qualificado que o outro? A resposta é não.

Se formos elencar os pontos positivos do EaD, eles são muitos, a começar pela flexibilidade de estudo que não tem nada a ver com facilidade, já que a grade curricular costuma ser a mesma. O aluno nessa modalidade necessita de muito mais atenção e organização, já que ele não tem uma hora e local certo de estudo sem interrupções. Outro ponto atrativo é o preço, que é muito mais acessível, sem contar que ainda economiza tempo e dinheiro no deslocamento, seja no combustível ou no transporte público. Ainda como ponto positivo tem a segurança de não precisar sair de casa e se expor aos riscos do dia a dia nas ruas. Há também alunos que relatam melhor desempenho estudando sozinhos do que em sala de aula com colegas, pois muitas vezes tem conversas paralelas ou comentários que fogem do tema da aula. Muitos pais também perceberam melhor concentração e desenvolvimento nos estudos e nas atividades das crianças que estão estudando em casa, como também melhora na saúde, tendo diminuído os quadros gripais que normalmente são as principais causas de faltas nas escolas.

O home office e o EaD não surgiram por causa da pandemia obviamente, mas ganharam um novo olhar perante as empresas, funcionários, pais e alunos. A modalidade é muito vantajosa também para as empresas e instituições, visto que gera menos gasto com transporte, requer menos investimento nas instalações das sedes e elimina barreiras geográficas.

Com a Covid-19 o jornalismo ganhou credibilidade, pois o jornalista tem um papel importante na comunicação e na elucidação sobre a doença. Muitos enxergam o jornalismo como uma profissão unicamente presencial, já que o jornalista precisa ir em busca da notícia. Só que estar nas ruas cobrindo um acontecimento não é a única função do jornalista. Ele pode atuar também utilizando as tecnologias que temos hoje. O jornalismo na pandemia requer maior exposição do profissional, mas para que o trabalho seja realizado com êxito todos os cuidados são tomados para que a informação chegue à sociedade sem maiores prejuízos.

AVALIE ESTE TEXTO