FOCA NA IMPRENSA - Leia o artigo 2

"A explosão dos podcasts", por Renan Dantas dos Santos

15/07/2019 09:00
Na era do "faço o que eu quero, na hora que eu quero", o podcast surge como um ótimo meio de entretenimento e informação. Apesar de não ser recente, o canal ganhou força com os stremios e os agregadores, como Netflix e Deezer, que os reuniram em uma única plataforma. Assim, é possível ouvir diversos programas com um único clique e navegar por variadas temáticas, que vão de gastronomia e cultura nerd até ciência, política e religião. 

O melhor de toda essa onda dos podcasts é tê-los a disposição a qualquer momento. É uma tendência que segue a ideia de um consumidor cada vez mais autônomo. Além disso, permite ao ouvinte encaixar o seu programa favorito de acordo com sua "grade horária", sendo possível escutá-los no carro, no transporte público, na caminhada ou na hora de dormir. Isso abre um mundo de possibilidades, tanto para o ouvinte, quanto para os produtores de conteúdo.
 
Se pararmos para analisar mais friamente, o podcast não é algo totalmente inédito, pois o formato não passa de programas de rádio sob demanda. E com isso não quero diminuir a importância dos podcasts. Muito pelo contrário. A linguagem radiofônica, moldada por grandes comunicadores durante décadas, merece e deve transitar por outros meios, como a internet. E sim, o veículo centenário, que já foi considerado "morto" diversas vezes, continua exercendo sua influência.

É animador ver veículos da imprensa, como Folha de S.Paulo e Veja, explorando o universo dos podcasts, abrindo assim um leque de oportunidades para profissionais e ouvintes que amam áudio. No entanto, não só os tradicionais veículos embarcaram nesse gênero. Grandes marcas também estão produzindo podcasts para estabelecer novos laços com o consumidor, uma espécie de branded content em formato de áudio. 

Em meio a essa popularização, se levantam algumas questões: como monetizar os podcasts? Apesar dos custos de produção, em tese, não serem altos, com a profissionalização do meio, os usuários estão cada vez mais exigentes, obrigando os produtores a utilizarem equipamentos técnicos mais sofisticados. A principal saída foi utilizar a boa e velha publicidade. Sim, como dito anteriormente, as empresas estão cada vez ligadas em encontrar outras maneiras de se conectar com o seu consumidor final. 

Embora tenham se expandido com grande força nos últimos anos, os podcasts ainda têm um mercado imenso para conquistar. De acordo com uma pesquisa Ibope divulgada em maio deste ano, 32% dos 120 milhões de usuários de internet no Brasil nunca ouviram falar do canal. Apesar disso, o formato tem tudo para continuar em franco crescimento. Isso porque sintetiza a essência da internet, onde é possível ter total liberdade para escolher o que ver na hora que quiser. Soma-se a este fator um rico cardápio de temas e temos a receita do sucesso. Vida longa aos podcasts. 

*Renan Dantas dos Santos é estudante de jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP).

AVALIE ESTE TEXTO